LOGO UOL HOST

Receba por e-mail as novidades e publicações da Academia UOL HOST

Informática e eletrônicos lideraram vendas no Dia do Frete Grátis

Não é apenas a Black Friday (liquidação que acontece na última sexta-feira de dezembro) que faz sucesso entre os eventos trazidos de fora e incorporados no calendário do e-commerce brasileiro.

⇒ Descubra, no vídeo abaixo, como vender mais na Black Friday usando as ferramentas certas:

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/-wON7emDLf8" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>

No último dia 25 de abril rolou a terceira edição do Dia do Frete Grátis, que a cada ano vem ganhando mais adesões de lojistas virtuais.

O evento, inspirado na data americana denominada Free Shipping Day e que acontece nos EUA há cinco anos, é organizado pelo site Busca Descontos e conta com 24 horas ininterruptas de vendas com preços especiais e valores imperdíveis de frete.

Conversamos com Patrícia Soderi, diretora de novos negócios do Busca Descontos, para saber mais sobre os resultados de 2014 e as expectativas para os próximos anos.

Como foi o resultado do Dia do Frete Grátis deste ano?

A data vem ganhado força porque dar a cortesia do frete está se tornando algo raro no Brasil. Ele pesa muito nos custos e margens dos varejistas. Portanto, fazer isso apenas por um dia passa a ser um diferencial para o lojista e uma baita oportunidade para o consumidor.

Apesar de a entrega gratuita ser um fator importante para a decisão de compra dos e-consumidores, no decorrer do ano houve queda na oferta de frete grátis, que passou de 58% em dezembro de 2012, para 50% em dezembro de 2013.

Essa redução deve continuar em 2014 por causa da busca das empresas por rentabilidade.

Creio que a tendência seja o Dia do Frete Grátis se fortalecer a cada ano.

Quais foram as categorias mais desejadas pelos consumidores este ano e de quais regiões brasileiras vieram os principais acessos?

Em 2014, as categorias mais desejadas durante as 24 horas do evento foram: em primeiro lugar informática (21%) e eletrônicos (21%), em seguida, aparece vestuário e calçados (15%), eletrodomésticos (10%) e, por fim, casa e decoração (8%).

Mais de 24% dos acessos vieram de clientes de São Paulo, 11% vieram do Rio de Janeiro e 10% de Minas Gerais. A Bahia representou 6% dos acessos e o Paraná 5%.

Quais são as vantagens para os lojistas e para o mercado digital com eventos como este?

É uma grande oportunidade de otimizar as vendas e de conquistar novos clientes que ainda não compraram online por terem que pagar frete ou por não terem incentivo ao consumo neste canal. Participando de eventos como esse, o varejista ganha fôlego em épocas de baixa e potencializa os lucros nas épocas de alta.

Foram constatadas maquiagens de preços no dia do evento? Como vocês lidam com isso?

Na realidade a responsabilidade sobre a oferta, venda e entrega dos produtos é total dos lojistas. Temos a política de sempre alertar os empreendedores quando verificamos distorções nos preços e optamos por não publicar a oferta. Mas ressalto que a responsabilidade é total da loja virtual.