SUPERGUIA ACADEMIA:
Prepare sua loja para decolar

Finanças em ordem

Ser apaixonado pelo trabalho não é sinônimo de sucesso no mundo dos negócios

Qualquer empreendedor, quando inicia o próprio projeto, assume logo de cara um risco. E ele pode custar muito caro se as questões de finanças forem deixadas em segundo plano.

Livro-caixa, calculadora, planilhas de Excel, aplicativos online, foco e atenção são elementos importantes para controlar as finanças de sua empresa. Conforme um negócio vai tomando corpo e se expandindo, esse processo também passa a ser mais demorado e, não vamos mentir, até chatinho. Mas não tem jeito. Essa etapa é o coração da sua loja e, se não tomar cuidado, nem as máscaras de oxigênio o salvarão numa possível queda.

 

 

 

Márcio Iavelberg

presidente da consultoria empresarial Blue Numbers

Palavra de especialista

"Não tratar as finanças com o tempo e atenção necessários é um dos maiores erros cometidos por alguns empreendedores. Nunca se devem tomar decisões antes de fazer cálculos e planejamento adequado."

Montando o orçamento

Controle todo o dinheiro que entra e sai do caixa da sua empresa. Crie uma planilha anual que possa ser atualizada constantemente. Dessa forma, você conseguirá avaliar melhor os meses de pico e os de "crise".

Essa planilha deve conter todos os gastos fixos da empresa, como água, luz, internet, hospedagem, telefone, aluguel; bem como gastos de produção, matéria-prima, transporte eembalagem; e as despesas de vendas, como anúncios e funcionários. No exemplo abaixo,esses gastos estão divididos em diferentes categorias (custos de produção, despesas de vendas e despesas administrativas), mas você pode agrupar todos, se preferir. A vantagem em separá-los é que fica mais fácil de analisar os gastos em cada grupo.

As entradas também devem fazer parte desse orçamento. Ou seja, as vendas. Mas não se esqueça de descontar os impostos. Esse controle deve ser feito com periodicidade. O intervalo deverá ser definido por você, mas o importante é que, além de mantê-lo atualizado, você possa analisá-lo, ver os gastos da empresa e pensar em maneiras de enxugá-los.

Modelo de planilha de controle de gastos


modelo de planilha de controle de gastos

Para baixar esta planilha de fluxo de caixa do Banco Santander

Erro de principiante pode ser fatal no processo de expansão

Em hipótese alguma misture a finança pessoal com o dinheiro da empresa. Essa é uma falha comum de quem está começando, mas é um erro fatal para quem pretende crescer.

Os técnicos do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) fazem a seguinte recomendação: faça a conta de todas as suas despesas pessoais durante o ano. Estabeleça um valor médio como pró-labore.

E somente essa saída mensal deve ser transferida da conta empresarial para a pessoal. O restante deve ser tratado como capital de giro do seu negócio.

Conte com a ajuda do Sebrae no seu planejamento financeiro

O Sebrae oferece direcionamento aos empreendedores que buscam organizar seu fluxo de caixa, indicando ferramentas e fornecendo orientações para que as micro e pequenas empresas impulsionem seu crescimento. Além de disponibilizarem a Cartilha de Fluxo de Caixa, os consultores ajudam o empreendedor a organizar melhor suas finanças, para isso, basta ir até um posto do Sebrae e se informar a respeito.

Ferramentas de pagamento ajudam a manter o fluxo de caixa em ordem

De acordo com a pesquisa realizada em 2013 pelo Datafolha, 67% das pessoas que compram pela internet preferem pagar com cartão. No entanto, há também muita gente que prefere o boleto bancário ou débito em conta. Portanto, ter diversas opções de pagamento é importante para não perder clientes.

Sabemos que é trabalhoso e custoso adotar sistemas individuais para gerenciar cada um deles. Por isso, utilizar intermediadores de pagamento, como o PagSeguro UOL, é uma ótima opção para as lojas virtuais que querem aumentar sua clientela, sem aumentar os problemas com pagamentos. Você paga uma taxa aos intermediadores por venda realizada e recebe o pagamento direto em sua conta.

Com um intermediador de pagamento, você pode receber diversas formas de pagamento. Além disso, você pode oferecer para seu cliente o parcelamento de compras, mas o dinheiro cai na sua conta de maneira integral. É uma forma de manter seu capital de giro sempre em dia, sem abrir mão da facilidade ao cliente.

Recursos financeiros de terceiros

Crescimento implica também investimento. Para ampliar a estrutura, é necessário que haja uma injeção de crédito. Nessas horas, o pequeno empreendedor pode captar recursos financeiros para acelerar o crescimento dos negócios com investidores ou empréstimos bancários.

Banco: instituições públicas e privadas fornecem linhas de crédito para pequenas e médias empresas, a partir de cobrança de juros e garantias (abaixo você encontra a relação dos principais bancos).

Fundo de Private Equity: os fundos de capital de risco reúnem dinheiro de diversos investidores para auxiliar no crescimento de empresas em estágio mais avançado. Em troca, esses fundos ficam com uma fatia do negócio. Para conseguir esse tipo de apoio, é necessário que a empresa tenha algumas características (saiba mais abaixo).

Investidor anjo: pessoa física que injeta dinheiro (geralmente, o valor é entre 100 mil e 1 milhão de reais) e, em troca, ganha uma participação no negócio. Além do auxílio financeiro, o investidor anjo também toma decisões e colabora com sua experiência de mercado. A exemplo dos fundos de capital, o apoio é dado a empresas com determinadas características.

Recursos próprios: abrir mão de alguns bens, como carro e fundos de investimento pessoais, pode ser uma alternativa para quem não quer se comprometer com alguma instituição ou pessoa física.

Investidores são opção para negócios inovadores e escaláveis

A vantagem dos investidores é que eles compartilham do risco do negócio e não exigem garantias, como os bancos. Além do capital, eles podem agregar conhecimento, experiência e sua rede de relacionamentos. Mas não é qualquer empresa que consegue esse aporte. Os fundos de investimento seguem a mesma lógica na escolha. Conforme informações da Organização Anjos do Brasil, que tem o objetivo de fomentar o crescimento do investimento anjo para apoio ao empreendedorismo de inovação, os requisitos de uma empresa para chamar a atenção dos anjos são:

Inovação, seja no produto/serviço, no processo de fabricação/prestação ou do modelo de negócio.

Mercado potencial significativo.

Bom potencial de crescimento e de alta rentabilidade (margens>40%).

Não pode ser facilmente copiável.

Cuidados ao negociar os empréstimos e investimentos

Quando você recorre a qualquer tipo de empréstimo, é preciso ficar atento a uma série de detalhes. Isso porque você está trocando números por porcentagem. E, também, não dá para receber uma quantia de dinheiro para resolver um problema imediato e acabar se endividando no futuro.

Portanto, antes de negociar com qualquer instituição financeira ou investidor, dê atenção a alguns detalhes:

Saiba exatamente quais são as garantias exigidas pelo financiador.

Calcule as taxas de juro.

Meça bem as metas e os prazos.

Saiba o valor de mercado (saiba mais sobre esse cálculo abaixo) da empresa para receber um valor adequado.

Defina o nível de participação e interferência do investidor.

Acerte quando e como o investidor vai sair do negócio.

Conheça o histórico do investidor para saber se ele tem sucesso.

Como calcular o valor da sua empresa

Para conseguir captar recursos da maneira mais adequada, você precisa ter uma estimativa de quanto vale a sua empresa. Existem algumas formas de calcular o valor de uma empresa. A metodologia de avaliação de valor mais atual e indicada é a do fluxo de caixa descontado, segundo Diego Simioni, especialista em planejamento e finanças e sócio-fundador da GOAKIRA, consultoria empresarial. No entanto, vale conhecer todas as outras:

Múltiplos de faturamento: o faturamento anual é multiplicado por um fator de mercado, denominado múltiplo.

Múltiplos de Ebitda: o Ebitda significa o lucro de uma empresa sem levar em consideração juros, impostos, depreciação e amortização, ou seja, a capacidade de gerar recursos apenas com atividades operacionais. O valor da empresa é a multiplicação do Ebitda por um fator de mercado.

Fluxo de caixa descontado: considera-se a capacidade de geração de caixa, a taxa de crescimento e o risco envolvido. Ele requer auxílio de um especialista e exige mais tempo que os outros cálculos. Contudo, dá maior precisão ao valor real da sua empresa.

Volume de investimentos

Os fundos de Private Equity aplicaram 14,9 bilhões de reais em novos negócios em 2012, uma alta de 26,5% em relação ao ano anterior, segundo a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP).

Já o volume total de créditos concedido por instituições financeiras, públicas e privadas a micro, pequenas e médias empresas chegou ao montante de 403 bilhões de reais em 2013, avanço de 4,9% em relação ao ano anterior. Os dados são do Sebrae Nacional.

linha de crédito dos principais bancos

Banco do Brasil

Microcrédito Produtivo Orientado: crédito para microempreendedor – com faturamento anual de até 60 mil reais –, ou microempresa – com faturamento de, no máximo, 120 mil reais por ano. A linha de crédito chega a 15 mil reais e serve para capital de giro e financiamento de investimentos. A taxa de juro é de 0,4% ao mês, equivalente a 5% ao ano.

Crédito Automático Mais: linha de crédito de até 15 mil reais para cobrir o capital de giro. O pagamento pode ser feito em até 12 parcelas mensais.

 

BNDES

O Banco oferece o cartão BNDES que é voltado para as micro, pequenas e médias empresas. Trata-se de um crédito rotativo pré-aprovado de até 1 milhão de reais para a aquisição de produtos credenciados no Portal de Operações do Cartão BNDES.

 

Bradesco

Microcrédito Produtivo Orientado: crédito para empresas com faturamento anual de até 120 mil reais. O crédito pode ser utilizado para capital de giro, para adquirir bens e equipamentos ou para fazer pequenas reformas.

CDC- Crédito Direto ao Consumidor: crédito para aquisição de bens novos e usados. Poder de negociar diretamente com o fornecedor para obter descontos à vista.

Antecipação de Recebíveis: recebe o dinheiro à vista das suas vendas a prazo. Com o dinheiro antecipado na mão, você agiliza o processo de crescimento.

 

Itaú

Microcrédito Produtivo Orientado: crédito entre 400 reais e 14,2 mil reais para donos de pequenos negócios formais ou informais. O prazo de empréstimo varia conforme o tipo de crédito. Por exemplo, até 5 parcelas para capital de giro e até 12 parcelas para reformas. A taxa de juro é de 3,9% ao mês. É cobrada, também, uma taxa de abertura de 3% sobre o valor do contrato.

 

Santander

Microcrédito Produtivo Orientado: crédito entre 500 reais e 15 mil reais para pessoas físicas ou jurídicas. A taxa de juro varia de 2% a 4%, e o prazo de pagamento é até 24 meses. Há, ainda, uma taxa de abertura, de 2% a 3%, sobre o valor do crédito.

 

 

 

Baixe o superguia completo em pdf