SUPERGUIA ACADEMIA:
Prepare sua loja para decolar

Upgrade tecnológico

Aprimore a infraestrutura e o design da sua loja

Não precisa nem falar que quem trabalha no comércio eletrônico precisa investir em tecnologia, certo? A cada dia, novas tendências surgem, e o lojista que quer ver seu comércio crescendo precisa ficar ligado em tudo.

Muitos empresários enxergam as melhorias tecnológicas apenas como custos. Mas pensar dessa maneira é um grande erro e pode levar sua loja a derrapar na pista.

Economizar em avanços e otimização pode deixar sua loja cada vez mais obsoleta. E aí, em vez de decolar, sua loja vai afundar.

 

 

 

Amazon é exemplo de loja que está sempre investindo em tecnologia

A Amazon começou em uma garagem e vendia somente livros. Hoje, ela é uma das maiores lojas virtuais do mundo. Não deve ser à toa que eles investem em tecnologias como essas:

Amazon Dash

Esse dispositivo lê código de barras e contém um microfone. A ideia é facilitar as compras triviais dos clientes. Por exemplo, quando algum item estiver acabando na despensa, basta usar o Amazon Dash para ler o código de barras e, assim, um produto igual será entregue na casa do cliente no dia seguinte.

Entrega antecipada

Enquanto o cliente está escolhendo, o produto já está a caminho de sua residência. O sistema trabalha com geolocalização e, antes da conclusão da compra, a entrega já está na região. Se o cliente concluir a compra, a Amazon envia o endereço específico de entrega para o sistema e o produto chega em tempo recorde à casa do comprador.

Robôs trabalhando no estoque

De acordo com informações divulgadas pela própria Amazon, a empresa possui dez centros de distribuição espalhados nos Estados Unidos, com mais de 15 mil robôs operando neles. Os pedidos são separados com a ajuda dos robôs, que andam entre os corredores e armazenam os produtos de acordo com o pedido.

Se ainda não tem, invista em uma plataforma de lojavirtual

Muitos empreendedores usam as redes sociais, e-mail e até WhatsApp como a plataforma oficial e exclusiva de vendas. Esse é o caso da loja virtual ClickVeste, por exemplo, que divulga as peças no Instagram e Facebook e recebe os pedidos via WhatsApp.

Esse pode ser um bom caminho para começar. Mas o primeiro passo para ver a loja voando alto é se profissionalizar. E, nesse sentido, ter um site é essencial.

A melhor solução para ter um sistema completo, seguro e simples de usar é utilizar uma plataforma de loja virtual, como a do UOL HOST, que é de fácil configuração e oferece pagamento integrado com o PagSeguro. Este espaço já está totalmente pronto para transações de vendas. É só cadastrar os produtos e começar a vender.

Claro que você não deve deixar as redes sociais de lado. Mas, a partir do momento em que passa a vender por sua loja, as redes assumem o papel de divulgação e engajamento da marca.

4 motivos para investir em uma plataforma de loja virtual

Transmite mais confiança ao consumidor.

Facilita e agiliza o processo de compra.

Exige o cadastro do e-mail de clientes e, consequentemente, permite criar uma lista de contatos para e-mail marketing.

Já vem integrada com facilitadores de pagamento.

Layout e navegação

Assim como uma loja física, uma loja virtual exige cuidados com a aparência. Um site com uma identidade visual bacana, com cores e fontes bem escolhidas, produtos organizados e selos de segurança passa confiança e aumenta as chances de conversão.

Outro ponto importante é a navegabilidade da página. O cliente não pode se sentir perdido e precisa encontrar facilmente não só os produtos, mas também outras informações que deseja, como dados da empresa e sobre políticas de entrega e trocas.

Na trilha certa

Quer evitar que seu cliente se perca no seu site? Use os breadcrumbs (na tradução literal para o português: "migalhas de pão"). Trata-se de um modelo de navegação estruturado que permite que o usuário acompanhe o caminho que percorreu até chegar a um produto, como no exemplo a seguir:

exemplo de trilha de navegação

Além de visualizar a categoria (Eletrônicos) e as subcategorias (Televisores e Smart TV) do produto, é possível visualizar também outros filtros, como modelo e preço.

Além de ajudar o usuário a se situar no site, esse processo permite que ele navegue por outras áreas que potencialmente vão ajudá-lo a encontrar o produto de que realmente precisa. E, de quebra, você ainda ganha pontos com o buscador – já que essa estrutura de navegação facilita a indexação.

Checkout eficiente

Não adianta nada investir em um site bonito, que atrai e faz os clientes colocar os produtos no carrinho, se na hora de pagar eles acabam desistindo por uma série de obstáculos no checkout.

Formulários intermináveis e problemas técnicos para escolher a forma de pagamento são dois ótimos motivos para os clientes desistirem de comprar em uma loja virtual. Para ser eficiente, um checkout deve ser rápido e prático.

exemplo de checkout eficiente

O primeiro cadastro deve ser muito simples. Avalie quais são as informações realmente vitais para fazer a venda e não exija que o usuário preencha um monte de campos irrelevantes. É preciso estar ali claro, também, quais os produtos que estão prestes a ser comprados e o valor unitário de cada um, além do valor total da compra.

Também é fundamental que haja um sistema rápido e prático de cálculo do frete na página de finalização do pedido e informações importantes, como o tempo de entrega e a política de devolução. Botões de call to action não podem faltar. São eles que vão "convidar" seu cliente a dar o último clique e finalizar a compra.

Um checkout eficiente é crucial para a diminuição do abandono de carrinhos

Fonte: Forrester Research

As seis características de um bom site de e-commerce

Facilidade de leitura: A fonte deve possuir cores fortes, enquanto o fundo da sua página, cores claras. Essa combinação facilita a leitura. O texto deve estar alinhado, e nada de colocá-lo em CAIXA ALTA!

Facilidade de navegação: O seu cliente precisa encontrar o que precisa o mais rápido possível. Para garantir que isso aconteça, é preciso uma navegação estrutural com menu bem organizado e um bom mecanismo de busca.

Identidade visual: Todas as páginas do seu site devem manter o mesmo padrão visual. Por exemplo, se em um produto o preço está em negrito, você deve respeitar esse padrão nos outros também.

Fotos com qualidade: Na hora de tirar as fotos, preocupe-se com a iluminação, e não deixe nenhum outro objeto por perto para não desviar o foco do produto. Quanto à resolução da imagem, o ideal seria 1024 x 768 pixels, mas até 640 x 480 pixels é aceitável. Outra dica, também, é usar recursos de zoom e visualização em 360 graus.

Botões de conversão: Os botões de conversão, ou call to action, devem chamar bastante a atenção. Eles precisam se destacar e estar presentes em lugares estratégicos, como páginas de checkout e de produtos.

Checkout eficiente: Um bom site de e-commerce não é aquele que só atrai visitantes, mas também que converte. E o momento crucial para isso é o do checkout. Por isso, é de extrema importância que essa etapa seja clara, segura, rápida e eficiente.

Dicas: Contrate um web designer para deixar seu site com um visual mais profissional. Talvez seja preciso contratar também um Programador para implementar algumas melhorias. Existem empresas especializadas na programação de lojas virtuais, como a Peras Ideias.

Palavra de especialista

"O usuário precisa encontrar os produtos nas páginas de navegação com facilidade. Então, há uma forte necessidade de a árvore de categorias ser muito bem estruturada, uma ferramenta de busca que seja adequada e um cadastro de produtos bem-feito. O processo de conclusão de pedido deve ser o mais rápido, simples e que gere o mínimo desgaste possível para o usuário. Ninguém gosta de preencher um formulário longo e cansativo."

Dante Lima

Professor de e-commerce na
Internet Innovation e sócio da consultoria para
projetos e e-commerce eNext.

Design responsivo

Ter um site visualmente atrativo é importante, mas não basta. Hoje em dia, é fundamental garantir que o usuário tenha uma boa experiência de navegação e compra em qualquer tela – principalmente nas menores.

Levando em conta que a participação do dispositivo móvel no comércio eletrônico nacional cresceu 84%, entre junho de 2013 e junho de 2014, não dá para ignorar esse público, né?

Neste contexto, o design responsivo é um importante aliado para não perder nenhuma venda. Ele faz com que o conteúdo do site se adapte automaticamente a diferentes tipos de tela, como as de smartphones e tablets, sem comprometer a navegação.

Portanto, fique ligado. Design responsivo já ou você vai perder muitos clientes!

Mobile commerce no Brasil

7% do faturamento total do comércio eletrônico brasileiro,
no primeiro semestre de 2014, veio dos dispositivos móveis.

1,13 bilhão de reais foi o total de faturamento do mobile
commerce durante o primeiro semestre de 2014.

2,89 milhões de pedidos via mobile foram feitos no primeiro
semestre de 2014.

Fonte: e-bit

Métricas

Para descobrir se o seu site está passando uma boa experiência para os usuários, você precisa analisar alguns indicadores semanalmente:

Tempo de permanência: se o usuário fica pouco tempo no seu site, menos chance ele tem de comprar algum produto. Você precisa descobrir o que o incomoda e corrigir o problema.

Origem do tráfego: indicador fundamental para descobrir de onde vem o acesso ao seu site (redes sociais, busca orgânica, e-mail marketing). Dessa forma, fica mais fácil planejar suas próximas ações de marketing.

Páginas mais visitadas: ótima referência para saber quais produtos têm atraído mais pessoas. A partir daí, é bom colocar os produtos na homepage (a vitrine da loja virtual).

Cidades que mais visitam o site: é possível saber o local de onde vem o acesso. Ótimo indicador para você fechar parcerias com os Correios e as transportadoras com mais precisão.

Taxa de conversão: a conta é simples. Taxa de conversão = número de vendas/total de visitas. Suponhamos uma loja virtual que tenha uma venda a cada 100 visitas. Neste caso, a taxa de conversão seria de 1%. Esse é um dos principais indicadores de desempenho no e-commerce. Por isso essa métrica deve ser acompanhada de perto e avaliada com muito cuidado.

Dica: De acordo com pesquisa da Experian Hitwise, a taxa média de conversão no e-commerce brasileiro é de apenas 1,65%.

Fonte: e-bit

Google Analytics: seu mapa de indicadores

O Google Analytics é uma das ferramentas mais utilizadas para medir os números citados na seção. Trata-se de uma ferramenta altamente potente, gratuita e de fácil implantação. Basta criar uma conta, gerar um código de acompanhamento e inseri-lo no seu site (veja as telas a seguir). A partir de então você poderá acompanhar todas essas estatísticas em tempo real.

Acesse o Google Analytics e crie uma conta: www.google.com/analytics

Preencha as informações com os dados de seu site.

Nas configurações de compartilhamento, é possível personalizar a forma como você compartilha com o Google os dados que ele coleta de seu site. Assim, você pode ser mais aberto ou mais restritivo com relação aos seus dados, de acordo com suas próprias preferências.

Copie o código HTML e insira no site que você deseja acompanhar. Assim, as métricas começarão a ser geradas.

O ID de acompanhamento é gerado automaticamente para cada propriedade da Web. Você precisa copiá-lo da sua conta e colá-lo nas suas páginas da Web para que o Google Analytics funcione.

Baixe o superguia completo em pdf